Notícias

Empresário morre ao bater caminhão contra bloqueio bolsonarista

Após a derrota de Jair Messias Bolsonaro (PL) neste último domingo, 30 de outubro, inúmeras manifestações foram realizadas ao redor do Brasil, com diversas rodovias do país, neste momento, estando interditadas por caminhoneiros.

Os ânimos entre os eleitores der Bolsonaro encontram-se cada vez mais exaltados após Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sair como grande vitorioso das eleições presidenciais, ganhando 2,1 milhões de votos a mais que seu adversário.

O que vem chamando a atenção nas redes sociais nas últimas horas é o fato de uma morte acontecer durante os protestos realizados na noite desta segunda-feira (31), O empresário Osmar Alceu Wichcki, de 56 anos, dono do supermercado Parque Cuiabá, localizado no Mato Grosso, faleceu após bater o caminhão no qual estava dirigindo em um outro veículo que se encontrava estacionado na rodovia.

De acordo com as informações, o empresário não resistiu aos ferimentos, falecendo imediatamente. Wichoki atuava como diretor financeiro, administrativo e patrimonial dos supermercados do estado de Mato Grosso. Após o fato, as autoridades policiais foram até o local com o objetivo de realizar as perícias necessárias acerca do acidente.

De acordo com o relatório emitido pela PRF (Polícia Rodoviária Federal), o Trevo do Lagarto, local onde a tragédia aconteceu, é um dos dez pontos de protesto que ocorrem no Mato Grosso.

Bolsonaro condena manifestações que impedem ‘direito de ir e vir’

Durante a tarde desta terça-feira (1), Jair Bolsonaro tomou a decisão de se pronunciar pela primeira vez após ser derrotado nas eleições para presidente. Na ocasião, o político condenou manifestações que impedem o direito de ‘ir e vir’ dos cidadãos.

Ainda durante suas falas, Bolsonaro enfatizou que manifestações pacíficas são bem-vindas, no entanto, fez questão de ponderar que os eleitores não podem cercear direitos dos civis.

De acordo com as falas do político, os protestos realizados no país são frutos de indignação e do sentimento de injustiça acerca do processo eleitoral.